Review: Plants vs Zombies: Garden Warfare 2

Após o sucesso do primeiro jogo, era só uma questão de tempo até que a PopCap Games visse o potencial escondido nas atiradoras de ervilha. E se mudássemos o ponto de vista, saindo da visão aérea para encarnar uma plantinha e enfrentar os zumbis de frente? Até que Plants vs Zombies: Garden Warfare surgiu, trazendo consigo um gameplay divertido e balanceado mas com pouco conteúdo. Avançamos alguns anos e agora estamos com a continuação do jogo, com mais personagens, mapas e a promessa de muito mais coisas a se fazer. Será que agora vai ou é mais do mesmo?

Logo de início, GW2 mostra que chegou para corrigir os erros do passado, posicionando o jogador no meio de um frenético campo de batalha (leia-se quintal). Trocando os menus simples e sem graça, agora temos um mundo aberto em forma de HUB, no qual o jogador visita certas construções e NPCs para escolher suas missões, procurar partidas mutiplayer, personalizar o personagem e todas as outras opções que o game permite.

Uma novidade interessante desse HUB é a presença de um modo single player, para jogadores que queiram se acostumar com os comandos sem se jogar no estresse das partidas online. Tanto a campanha de plantas quanto de zumbis são bem curtinhas e não apresentam muito desafio, tampouco uma história profunda, deixando claro que o foco do jogo está no competitivo.

Overhacked_map

Outro destaque fica com os personagens que além dos quatro originais, incluem três novos tipos para cada lado. As plantas dão boas vindas a Citron, uma fruta cítrica que dispara lasers e utiliza uma barreira; Rose, a rosa com magias de suporte ofensivas e defensivas e o Kernel Corn, um milho focado no dano pesado e em área. Os zumbis ganham o Imp, uma criatura impiedosa e muito ágil que carrega duas pistolas e pode invocar um robô (similar a D.va em Overwatch); Super Brainz, um personagem com alto foco em combate corpo a corpo e Captain Deadbeard, um zumbi pirata bem versátil capaz de atuar tanto corpo a corpo quanto longe range. Todos os seis personagens novos são bem distintos, com habilidades únicas e o mais importante, são bem divertidos de jogar.

O multiplayer permanece toda a experiência caótica e doida do título original. Há mais de dez mapas diferentes para os jogadores batalharem, cada um com seus próprios temas e estratégias mas todos muito bem balanceados e equilibrados. Ou seja, ora os jogadores estão em coliseu romano lutando por suas vidas, ora estarão correndo em retirada na terra dos Dinossauros. Somado aos diversos modos de jogo diferentes, como Team Deathmatch e Domination, os jogadores terão boas horas de treino e diversão até conseguirem dominar todo o conteúdo do jogo.

Toda a experiência do usuário em GW2 está conectado a um sistema de progressão e moedas. Absolutamente tudo que o jogador fizer dentro do jogo irá gerar pontos de experiência que serão utilizados para promover o personagens, abrindo mais opções de personalização. Cada boneco tem sua própria barra de experiência, encorajando jogadores a não apenas tentar todas as opções, mas também trocá-los durante o jogo, incentivando batalhas mais dinâmicas e estratégicas. Já as moedas são utilizadas para comprar pacotes de itens especiais, que liberam plantas e zumbis especiais, consumíveis, adesivos e até upgrades. Embora seja uma forma interessante de manter o conteúdo fresco, há muitos itens que são podem ser obtidos por moedas e são bem caros. Isso se torna ainda mais frustrante ao você lembrar que é possível comprar moedas por fora, tornando parte do sistema de progressão em um grande Pay to win.

Assim como a Respawn e Titanfall, a PopCap Games parece ter aprendido com os erros do passado, criando uma experiência mais rica e completa, aberta para os mais diferentes gamers. Ao invés de mudar o que o jogador já está acostumado, os desenvolvedores simplesmente adicionaram ainda mais conteúdo. Os novos personagens são divertidos, os mapas novos são interessantes e bem desenhados. Se não houvesse a restrição de estar sempre online para jogar, mesmo para o conteúdo singleplayer, o game poderia ser ainda mais incrível. Em geral, Plants vs Zombies: Garden Warfare 2 é uma experiência bem rica, cômica e balanceada. Por ter um grande foco no multiplayer, pode ser um pouco difícil de achar partidas, mas assim que estiver dentro, a diversão é garantida.

More from Guilherme Kyoji

Preview: Guild of Dungeoneering

Quando pensamos em dungeon crawler, logo imaginamos um heroi entrando no castelo,...
Read More