Review: Digimon Story: Cyber Sleuth

Bandai Namco, a Publisher favorita dos amantes de cultura pop japonesa, dá mais um passo em direção ao coração dos otakus com Digimon Story: Cyber Sleuth (PS4 e PSV), um JRPG sólido, com boas mecânicas de luta e enredo. Desenvolvido pela icônica Media Arts, a mesma por trás da série Wild Arms, o game dos monstrinhos digitais mostra para todos que consegue se reinventar, mesmo tendo quase duas décadas de vida.

Cyber Sleuth tem seu início na rica e interativa comunidade virtual EDEN, um tipo de fórum de diversos temas para que usuários de todos os cantos do mundo possam discutir e aprender juntos, sendo desde usuários comuns até os assustadores hackers. Por um acaso do destino, nosso protagonista (e seus amigos) acaba se juntando ao último grupo, ganhando uma habilidade especial; ter um Digimon. O que se mostra uma excelente característica visto que pouco depois, todos os usuários de EDEN acabam contraindo uma misteriosa doença, induzindo os usuários a um coma profundo. Nosso protagonista, por sua vez, adquire um estado semi-virtual, permitindo que navegue pela rede e possa investigar a fundo esse vírus.

maxresdefault

O interessante aqui é como a desenvolvedora optou por focar mais nos humanos do que nos monstrinhos. Claro, boa parte do jogo gira em torno do grinding para ter o melhor Digimon e vencer as lutas, mas quando temos uma visão geral da história, percebemos que o grande destaque fica nas relações entre os personagens, seus ideais, objetivos e motivações, fazendo com que o jogo seja um dos mais “maduros” da série.

O sistema de combate é simples, fácil, descomplicado e muito viciante, ou seja, um prato cheio para os fãs de JRPG. As opções de ataque são as mesmas; ataque, defesa, item e fuga. Além disso, outros fatores tornam as batalhas mais dinâmicas, como os Combos; que geram um burst de dano a mais, e fraquezas para certas habilidades.

Cyber Sleuth tem outro motivo para criar batalhas fáceis e divertidas; coleção, pois a única forma de aumentar a coleção de Digimons é enfrentando-os, diminuindo (um pouco) o esforço do jogador em ter todos os monstrinhos. Para captura-los, basta cair em batalhas com eles. A cada “encontro”, um pouco da barra sobe e ao completar 100%, o bicho é adicionado a sua coleção! Mas para obter todos, é preciso evoluir o conceito. (sacou? :D)

O processo de evolução dos Digimons é mais uma importante e divertida característica do jogo. Ao invés de um processo linear (Agumon > Greymon > Metal Greymon), somos apresentados a um processo mais dinâmico e estratégico, com muitos caminhos diferentes, permitindo que os monstrinhos evoluam para coisas totalmente diferentes! Ter diversos e diferentes Digimons é MUST HAVE para poder avançar pelas dungeons e chefes.

Com tantos detalhes positivos, por que Cyber Sleuth não está no topo? Level design. Enquanto diversos detalhes do enredo e das batalhas foram pensados para encaixar e criar uma experiência dinâmica, as dungeons e até os mapas seguem uma fórmula antiga, com pouco espaço para explorar, além de uma grande linearidade e falta de diversidade. As missões, que obrigam o jogador a andar nesses mapas entediantes, também são simples e chatinhas, tendo algumas que são o famoso “vá até o ponto A e traga o item de volta”.

Com um humor inteligente, combate dinâmico e divertido, Digimon Story: Cyber Sleuth é um grande jogo da série e com certeza merece sua atenção, apesar das pequenas inconveniências dos mapas.

More from Guilherme Kyoji

Review: Tom Clancy’s The Division

Considerado como um divisor de águas para a própria Ubisoft, Tom Clancy’s...
Read More